Basso3 – MEIA Catorze

BASSO3
Alvaro Rosso
José Miguel Pereira
Miguel Falcão

Disponível para escuta e compra online/fisica através do link:
passarovago.bandcamp.com/album/meia-catorze
Pode ainda ser adquirido através de contacto email:
passarovago@gmail.com

__________

Basso3 - MEIA Catorze | Album cover design

Basso3: “Meia Catorze” (Pássaro Vago)
Na jazz.pt por Rui Eduardo Paes.
“Três contrabaixos. Poucas vezes se tem ouvido uma formação com estas características, e mesmo na área da improvisação o mais normal é juntar apenas dois exemplares do mais grave instrumento da família do violino para a criação de um diálogo intimista. Logo nesse aspecto qualquer amante da música fica, à partida, curioso. O que vem neste “Meia Catorze” não defrauda as melhores expectativas – ficamos apenas frustrados por não se indicar na ficha técnica quem ocupa que posição na estereofonia. Quem esteve no concerto aqui registado do MEIA 2014, festival de Aveiro dedicado às músicas experimental e improvisada, esse sabe e está em vantagem.

Mas está também quem já conhece os estilos pessoais e os percursos dos três músicos reunidos no Basso3, designadamente Alvaro Rosso, José Miguel Pereira e Miguel Falcão. O primeiro, uruguaio radicado há alguns anos em Portugal, tem actividade paralela na música clássica e o trabalho que desenvolve com o arco denota bem essa influência. Uma influência, no entanto, que é partilhada pelos restantes músicos, surgindo naturalmente da identidade deste cordofone e dos seus usos seculares, bem como do formato camerístico escolhido.
No que a identidade respeita, esta deriva também, aqui e ali, para o jazz: Rosso e Pereira têm tido sobeja actividade no género, indo de contextos “mainstream” às suas margens mais criativas. Do lado de Falcão, denota-se o seu gosto pela polifonia búlgara, que vem estudando com os mestres desse país. Todos os três, de qualquer modo, são figuras exponenciais da música livremente improvisada em Portugal, e Alvaro Rosso tem-se distinguido muito especialmente neste circuito.

Como não podia deixar de ser, a interacção entre os três contrabaixistas tem um pendor exploratório, e tanto das possibilidades físicas dos seus instrumentos como dos materiais utilizados, tanto no “fazer” (com incorporação de técnicas extensivas) como no “moldar” o som em bruto, tornando-o em música. Se de um lado surge o factor de jogo que vamos presenciando, mediante a construção de texturas abstractas, do outro consequenciam-se momentos de beleza melódica e harmónica que mais parecem compostos, bem como galvanizantes situações rítmicas.
Ou seja, o que vem neste disco não exclui nenhuns parâmetros, ora é tonal, ora escolhe a atonalidade, ora segue métricas e fraseios, ora os dispensa, ora é idiomática, ora avança para territórios tipologicamente neutros. O que aqui está é uma música sem tabus, completa e muitíssimo bem tocada. Venha mais.”

__________

Bio:
Alvaro Rosso
Movido por um interesse pela música popular e pelo jazz, começa os seus estudos de contrabaixo na Escuela Universitaria de Musica de Montevideo, tomando contacto com a música clássica e a técnica de base do instrumento. Em França, onde continua a sua formação, começa a interessar-se pela linguagem contemporânea e a livre improvisação. Logo de um mestrado em Espanha, muda-se para Portugal, onde reside atualmente. Alvaro é um músico com formação e experiências ricas e diversas, que tem trabalhado tanto com orquestras sinfónicas, ballets e operas, como com projetos de raízes populares ou experimentais, inclusive em conjunto com teatro, dança ou imagem. Hoje, além de professor, desenvolve e colabora em vários projetos, sobretudo de jazz mainstream e de livre improvisação / composição instantânea.
https://soundcloud.com/alvaro_rosso

José Miguel Pereira (n. 1979, Viseu)
É contrabaixista, trabalhando no domínio da música exploratória em grupos como Fail Better! (considerado um dos grupos revelação, em 2014, por um colégio de 70 jornalistas de todo o mundo reunidos na publicação argentina “El Intruso”), Open Field String Trio, The Nap e Basso3. Atuou em vários festivais, em Portugal e no estrangeiro, dentre os quais convirá destacar o Cork Guiness Jazz Festival (Cork, Irlanda), o Portalegre Jazz Fest (Portalegre, Portugal), o Out.Fest (Barreiro, Portugal), Soirées Tricot (Paris, França), Douro Jazz (Vila Real, Portugal).
É director do Jazz ao Centro Clube e seu responsável artístico desde 2013. Com Marcelo dos Reis, é responsável pela editora CIPSELA (www.cipsela-records.com).

Miguel Falcão
Baixo eléctrico / contrabaixo. Concluiu o curso de contrabaixo no Conservatório de Música de Coimbra, frequentou workshops de jazz e improvisação orientados por músicos como Bernardo Moreira, Didi, Carlos “Zíngaro” e William Parker. Realizou o curso sobre Música em Portugal leccionado pelo Prof. Dr. Pedrosa Cardoso, no Conservatório de Música de Coimbra. Desde a década de 80 foi membro de vários projectos musicais de Coimbra: Nássi Barbatão, ‘M’as Foice, Mortuary, Baladas Bailadas, Just Jazz Friends, Cool Train Trio, Caffeine, Panda Pompoir, Lulas Belhas. Actualmente está envolvido em projectos ligados à música improvisada, tais como o PREC (Projecto Ressonante Experimental Criativo) e Basso3. Lecciona baixo eléctrico e contrabaixo. Desde 2014 estuda Música Tradicional Búlgara, em gadulka, com Angel Dobrev. Em 2015 actuou no Festival de Música Folclórica Búlgara de Koprivshtica.
www.miguelbass.com

__________

Basso3 – MEIA Catorze
Gravado ao vivo no MEIA 2014
(Festival de Música Experimental
e Improvisada em Aveiro) no espaço Gretua,
no dia 8 de Novembro de 2014.

Captação por Hugo Pereira no Gretua
Masterização por Hugo Pereira no Covíl Estúdios
Design por Luís Formiga
Fotografia por Luís Ala

PV010 © 2015 Pássaro Vago

Deixar uma resposta